Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

LiveZilla Live Help
Home
Empresa
Produtos
FAZER PEDIDO ONLINE
Cursos
Cidades Atendidas
Acesse Área Restrita
Cadastre Seu Currículo
Receituário Online
Contato
Preencha o formulário abaixo para receber gratuitamente nosso informativo online!
Nome:
E-mail:
Autorizo envio de informativo online.
Voltar

BNDES: 60% do crédito

Para o crescimento da economia brasileira, o maior desafio do sistema bancário n

Para o crescimento da economia brasileira, o maior desafio do sistema bancário nacional é o desenvolvimento do mercado privado de financiamentos a longo prazo para a área de investimentos, que abrange infraestrutura, ciência e tecnologia, educação e indústria. Atualmente, os bancos públicos têm sido o provedor de 87% do crédito desse segmento, com 60% financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), 15% pela Caixa Econômica Federal e 12% pelo Banco do Brasil, de acordo com o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland.

Segundo os especialistas presentes em palestra realizada na FGV-EESP (Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas), este setor precisa ser ampliado, com a participação de bancos privados para a disponibilização de mais capital. “O problema é que o mercado de crédito no Brasil gerou mercado para o consumo e carece para o investimento. Não se fala em planos de investimento sem financiamento e em crescimento sem investimento”, acrescentou Holland.

  
A taxa de investimento (relação entre Formação Bruta de Capital Fixo e Produto Interno Bruto) de 2010 foi de 18,4%. Para o economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Rubens Sardenberg, o Brasil precisa elevar a taxa para 23%, e, para isso, necessita atrair mais capital local a longo prazo, externo e mercado de capitais. “Se o Brasil crescer 1%, nós falamos em R$ 1,2 trilhão em investimentos adicionais. Um volume enorme de recursos necessários. No meu ponto de vista, não me parece que o BNDES consiga sozinho suprir essa demanda.”
  
Sobre a situação do BNDES no cenário de financiamento a longo prazo, o diretor de Planejamento João Carlos Ferraz afirmou que o banco já cede espaço para o setor privado. “O BNDES vai baixar a participação no financiamento a longo prazo. Isto acontece ao reduzir a participação em 10 pontos percentuais nas distintas linhas. Também vamos reduzir o uso de TJLP [taxa de juros a longo prazo] para ampliar o financiamento em outras moedas para tornar mais sofisticado e criar mercados secundários. E utilizar instrumentos de renda variável”. O BNDES foi responsável pela concessão de 21% do crédito total registrado no ano passado.
  
Outros fatores impedem que os bancos privados financiem o investimento, segundo Sardenberg, que acredita que a preservação da estabilidade macroeconômica é o primeiro ponto para que aconteça uma ampliação dos financiamentos a longo prazo. “Do ponto de vista de construção de cenário de inflação baixa e curva de juros razoáveis, é ilusório imaginar que vai atrair capital privado, porque o risco das operações é elevado. Quanto mais estabilidade, com inflação baixa, maiores são as chances”, pontuou o economista da Febraban.
 
A ausência de funding de longo prazo também foi ressaltada durante a discussão na FGV e, para Sardenberg, é o segundo problema. “Em função do passado inflacionário do Brasil, a captação de recursos ainda possui prazo muito curto, pois os investidores se preocupam com a garantia de liquidez. A consequência é observada na estrutura de passivos dos bancos privados, que é muito curta. Mesmo em aplicações de longo prazo, ele tem o direito de resgatar, por isso funciona como curto prazo.”
 
Ele também destacou que outros fatores importantes para a ampliação dos investimentos são a estabilidade de regras e a ampliação do mercado de capitais. Na sua avaliação, duas medidas que o governo adotou para administrar a política econômica são eficientes. As mudanças nas regras da CVM e o início de emissão de Letras Financeiras (LF), que chegou ao mercado em março de 2010 para suprir a carência por um instrumento de captação de longo prazo e já atingiu o estoque de R$ 53,3 bilhões em 2011.
 
O economista e professor da FGV Yoshiaki Nakano finalizou o debate ao acrescentar que a política monetária adotada pelo Banco Central também prejudica o crédito a longo prazo. “O BC aprisiona toda poupança no curto prazo e paga a mesma taxa que o longo prazo. Com isso, os investidores vão para o curto. Esta é a primeira mudança que deve acontecer na questão bancária.”
 
Fonte: SINDIPAN
 
Assista ao vídeo do Projeto Social realizado pela Dispropan
https://youtu.be/cSSHVd6UzXY